YES Blog da Escuta

quinta-feira, 29 de novembro de 2018


Aprendemos com Freud, que no inconsciente não existe: o reconhecimento da passagem do tempo, da ironia, da contradição, da diferença sexual, da ideia da morte do sujeito..... Na releitura que Lacan fez da obra de Freud, formulou que o inconsciente é estruturado como uma linguagem.
Como uma linguagem, significa que ele aparece através das suas formações: lapsos, esquecimentos, sonhos, chistes, lembranças e sintomas. 
O conteúdo do inconsciente refere-se tanto as pulsões e desejos, como as manifestações linguísticas.
Na análise, o analista com seu ato, dá existência ao inconsciente. Possibilita que o analisando escute verdadeiramente o que diz. Ele aprende que as palavras não são somente palavras, são significantes! 
E que o inconsciente é uma cadeia de significantes que se repete...
E que seu mundo, sua vida, é organizado pelo que ele diz. E se ele não escutar esse discurso singular, que é do inconsciente, vai continuar se atrapalhando, gozando, adoecendo....pois o inconsciente parasita o corpo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário