Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2012

Crianças medicadas em vez de escutadas.

Imagem
(Imagem retirada da internet para fins de ilustração) Muitas crianças apresentam dificuldades escolares: dificuldades para aprender Matemática, para ler e escrever. Outras, apresentam dificuldades em se concentrar na sala de aula. Para essas últimas, alguns profissionais ou pais (angustiados) antecipam-se em diagnosticá-las como crianças com problema neurológico intitulado de TDHA (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade) ou dislexia,  e mediante esse diagnóstico são ministrados medicamentos. Não é por acaso, que o número de caixas do medicamento Cloridrato de Metilfenidato consumidos no Brasil subiu em dez anos (2000 a 2010) de 70 mil para 2 milhões segundo IDUM (Instituto Brasileiro de Defesa dos Usuários de Medicamentos). O que aconteceu aqui? Porque um número tão expressivo? Podemos e devemos, antes de darmos um diagnóstico que classifique alguém com problemas neurológicos ou psiquiátricos, nos perguntar:  O porquê de sua desatenção?  O

Quem é esse Outro que habita em mim ?

Imagem
Situações embaraçosas, escolhas de caminhos tortuosos, pensamentos repetitivos, sofrimentos que poderiam ser evitados... Quem é o causador? (leia-se causa-dor). O porquê disso tudo? Destino? Carma? Azar? Por que mesmo querendo fazer diferente algumas pessoas não conseguem? Por que não conseguem ser donos de suas escolhas? Alguns buscam a resposta na ciência, religião, cosmo ou nas estrelas. Outros, inconformados e cansados de tanto sofrerem, munem-se de coragem (pois é preciso ter coragem para enfrentar os próprios fantasmas) e encaram uma análise. Chegam um pouco desacreditados em relação ao que vão encontrar. Perguntam-se se é melhor tomar remédios, pois o problema pode ser um hormônio “enlouquecido” ou uma doença genética. Sabemos que essa não é uma tarefa simples, pois existe todo um percurso a seguir e geralmente o sujeito que sofre, acredita ser mais fácil procurar culpados. Dizem que o culpado primeiramente é sempre o outro: o pai, a mãe, o chefe, o namorado, a namorada, gene