Essa compulsão foi detectada por Freud nos sonhos de pacientes que sofriam de neurose traumática e no impulso que leva a criança a brincar. Por isso tantas vezes a criança faz o mesmo jogo, ou insiste que uma história seja contada sempre da mesma forma.


A força da compulsão a repetição é tão forte que muitos acreditam que 'existe um destino que as persegue, um traço demoníaco em seu viver, e a psicanálise sempre viu tal destino como, em boa parte, preparado por elas e determinado por influências da infância.'


Essa determinação é inconsciente!


Andreneide Dantas



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brincar é coisa séria