A frase do psicanalista Roland Chemama, ilustra bem o que escutamos na clínica: a dificuldade que os pacientes sentem em falar sobre seus sentimentos.
Eles demonstram que estão atrapalhados em um tempo circular.

Esquecem datas, não conseguem precisar desde quando estão sofrendo, quando começou.

Acreditam, muitas vezes, que seu passado não tem relação com o que sentem no presente. "Para que falar disso, se aconteceu há muito tempo?"

Apresentam dificuldades para falar das perdas, repetem e descrevem as sensações de angústia, a dificuldade no sono, a falta de energia para levantar e se ocupar das questões cotidianas.

Pelo fato de não terem falado sobre as perdas que sofreram, e consequentemente, feito os lutos pertinentes, não se implicaram subjetivamente no que lhes aconteceram.
Por conta disso, permaneceram como vítimas do Outro, do seu inconsciente, do acidente, do destino, dos pais e de sua pulsão destrutiva.

Andreneide Dantas
Psicanalista e Psicóloga

#escutaanalitica1


 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Deixem seus filhos crescerem

Escutamos o sujeito que sofre

As dores dos Adolescentes