Postagens

Mostrando postagens de Março, 2014

Entrevista Vídeo - Psicanálise com crianças

Imagem
Psicanálise com Crianças Entrevista com a Psicanalista Andreneide Dantas, sobre Psicanálise com crianças. (18/03/14) #crianças #psicanálise #psicoterapia #análisecomcrianças #sintomas #psicologiainfantil

Psicanálise com crianças - Entrevista (Parte 1)

Imagem
Psicanálise com Crianças 1.Quando uma criança precisa de atendimento psicanalítico? Quando apresenta alguma dificuldade que atrapalha seu desenvolvimento. Dificuldades que os pais, a escola ou o médico podem detectar. Por exemplo, quando tem alguma doença recorrente, ansiedade acima do normal, medos exagerados. Enfim, quando tem algum sintoma que as fazem sofrer, é preciso que as crianças possam falar com um psicanalista para que através da palavra possam revelar o que não está bem com seu corpo e em suas relações com os outros. Pois as palavras tem o poder tanto de desorganizar um corpo quanto reorganizá-lo. 2.Á partir de qual idade é possível fazer o tratamento? Atendo pacientes desde a idade de três anos, mas existem trabalhos feitos desde o berçário, com os recém-nascidos que apresentam alguma doença ou sintomas e por conta disso não respondem bem ao tratamento médico. Nesse sentido (com bebês) o psicanalista faz intervenções com a criança, faland

Filhos não podem mandar nos pais.

Imagem
(Imagem retirada da internet para fins de ilustração) Parece óbvia essa frase, mas não para muitos pais, que governados por sentimento de culpa ou medo, não se autorizam a ocupar o lugar que lhes pertencem: lugar de mãe e pai, portanto, daqueles que são detentores das leis e portadores das regras. São eles que tem a obrigação de educar e ensinar aos filhos o que eles podem ou não fazer! Aqueles, que equivocadamente não assumem essa função, ou porque viveram sob o jugo do autoritarismo dos seus pais e afrouxam os limites e se tornam permissivos; ou porque estão "desgovernados" pela liberalização dos costumes – e acreditam que tem que ser amigo dos filhos - provocam estragos na constituição subjetiva dos mesmos. Estragos que deixam marcas profundas e afetam- os no físico, psíquico e consequentemente nas relações sociais.  O que vemos proliferar nas escolas, com brigas, bullying, violência. As crianças necessitam que os adultos que as cercam (principalmente se